Publicações

Filtros
Aplicar
    Filter products Showing 33 - 48 of 57 results
    Encardenação
    Ordenar por
    Preço
  • 9.90

    Na versão definitiva desta obra (1880), conjugam-se três factores já previamente salientes na carreira de Eça mas cuja importância relativa e cujo significado se irão modificando: um dado propósito de crítica social contemporânea; uma dada percepção de como determinadas personagens, enganando as outras, se enganam afinal a si próprias, fingindo acatar pautas morais de comportamento; e uma certa auréola de sonho que elas exalam.

  • 16.00

    Eça de Queiroz com o poderoso sentido de observação que o caracterizou, aguçado pela novidade mítica do Oriente, antes da viagem apenas literariamente experimentada, Eça pode produzir nesta obra um texto que iniciou na sua carreira literária uma imediata revolução que o faz passar da prosa lírica dos primeiros folhetins, mais tarde reunidos com título de Prosas Bárbaras, para uma visão mais concreta da realidade.

  • 7.70

    Nesta obra, Eça tem uma visão muito pessoal dos países orientais e da antiguidade. A sua imaginação volta a trabalhar para nos oferecer, com a sua fina ironia, uma obra rica de análise psicológica (pois retrata magistralmente o remorso) e com alguns momentos de descrição sugestiva nos sonhos de opulência do Teodoro, na sua quimérica viagem à China.

  • 13.95

    Em O Meu Primeiro Eça de Queirós, Luísa Ducla Soares conta-nos a vida deste escritor, cuja obra a apaixona desde criança, e Fátima Afonso maravilha-nos com as suas ilustrações.

  • 21.00

    Apresentam-se, nesta edição, estreitas e até agora desconhecidas relações de amizade entre o poeta António Feijó e Eça de Queiroz e até surpreendentes afinidades entre ambos. O motivo principal deste livro é, todavia, a publicação integral de “O Mistério da Estrada de Ponte de Lima”, ou “História dos Carecas”, divertida efabulação engendrada por António Feijó, em 1880, no jornal “O Comércio do Lima”, de evidente inspiração queiroziana, que alvoroçou a sua terra natal e permanece, ainda hoje, na memória de muitos pontelimenses.

  • 15.00

    Quem é afinal este Basílio, que tanto êxito e escândalo provocou? Um brasileiro, um marialva que vai quebrar o coração de Luísa. Ela, doce e romântica, e seu marido, Jorge, são aparentemente felizes. Mas tudo se complica quando Jorge viaja em trabalho. Luísa, entediada e aborrecida, é seduzida por Basílio e chantageada por Juliana, a imortal Juliana, uma das grandes criações da literatura portuguesa.

    E por cima de tudo, o riso de Eça, destruindo, certeiro, a sociedade de então. Este é o romance que o consagrou definitivamente como o grande escritor nacional. Deve ser lido, e relido, sempre!

  • 7.70

    Escrito em Inglaterra, O Primo Basílio, publicado em 1878, é um romance de costumes da média burguesia lisboeta e uma sátira moralizadora ao romanesco da sociedade da época. Luísa é uma vítima das suas leituras negativas e da baixeza moral do primo, quando a ausência do marido a deixou entregue ao seu vazio interior. É uma vítima do ócio.

  • 10.00

    Tendo chegado à estação, ambos cansados da viagem de comboio, perceberiam que ninguém os esperava. Felizmente, o chefe da estação, que era um homem prestável e perspicaz, após ter ouvido as queixas de ambos, percebeu que alguém, com certeza, não tinha recebido o bilhete anunciador da sua chegada. Não se fazendo rogado, este mandou vir transporte, isto é, um moço e uns burros que os levariam à quinta. Eça de Queiroz, que já não aguentava o corpo, agradeceu-lhe dizendo que a montada era uma ótima solução.

  • 10.90

    Trata-se da obra-prima de Eça de Queiroz, publicada em 1888, e uma das mais importantes de toda a literatura narrativa portuguesa. Vale principalmente pela linguagem em que está inscrita e pela fina ironia com que o autor define os caracteres e apresenta as situações. É um romance realista (e naturalista), onde não faltam o fatalismo, a análise social, as peripécias e a catástrofe próprias do enredo passional.

  • 11.90

    É um Portugal realmente presente que ele interroga e que o interpela. É a sua província, a sua capital, os seus pasmosos habitantes, os costumes, os sonhos medíocres hipertrofiados, a inenarrável pretensão de tudo quanto é ou parece ser “gente” num país sem termos de comparação que possam equilibrar essa doce paranóia de grandezas engendradas a meias pelo tédio e pela falta de imaginação, que Eça pinta, caricaturalmente sem dúvida, mas para melhor reduzir a massa confusa do detalhe proliferante à sua verdade palpável.

  • -50% de desconto
    2.50

    A revista “Queirosiana” é publicada semestralmente pela Fundação Eça de Queiroz, tendo como Director o Prof. Doutor Carlos Reis, contem estudos sobre Eça de Queiroz e a sua Geração, é distribuída gratuitamente aos sócios da Associação dos Amigos de Eça de Queiroz.

  • -50% de desconto
    5.00

    Revista do Centenário da Morte de Eça de Queiroz

  • -50% de desconto
    5.00

    A revista “Queirosiana” é publicada semestralmente pela Fundação Eça de Queiroz, tendo como Director o Prof. Doutor Carlos Reis, contem estudos sobre Eça de Queiroz e a sua Geração, é distribuída gratuitamente aos sócios da Associação dos Amigos de Eça de Queiroz.

  • -50% de desconto
    7.50

    Revista dedicada ao estudo A Obra Queirosiana no espaço da Língua Alemã

  • -50% de desconto
    7.50

    Revista dedicada ao estudo A Obra Queirosiana no espaço das Línguas Românicas

  • -50% de desconto
    5.00

    Revista dedicada ao estudo A Obra Queirosiana no Fim do Século: os Contextos e a Evolução Literária